6 Dicas para um Ambiente Preparado em nossa casa

O primeiro objectivo do ambiente preparado é, tanto quanto possível, levar a Criança em crescimento a ser independente do adulto” (Maria Montessori).

O “Ambiente Preparado” é o conceito que estabelece que o ambiente deve e pode ser delineado de forma a facilitar a aprendizagem e exploração o mais independente possível por parte da Criança.

Um dos grandes objctivos desta Pedagogia é precisamente o desenvolvimento da independência da Criança, o que parte do reconhecimento e respeito pelo seu desejo inato de aprender a ser autónoma. Esta aprendizagem faz-se em muito pela imitação do que vê os adultos fazer, pelos materiais e actividades que lhes propomos e pelos desafios que encontra no ambiente que a rodeia, que ao serem ultrapassados e alcançados fortalecem a sua confiança em si própria e na sua capacidade de ser independente.

A nós cabe-nos, então, preparar o ambiente de forma a incentivar e promover o ganho desta autonomia. Não precisamos de montar uma escola Montessori em casa, mas apenas tentar seguir algumas ideias que têm por base estes objetivos, e adapta-las dentro do possível ao nosso ambiente.

Assim, para nos ajudar a criar um Ambiente Preparado em nossa casa, deixamos algumas ideias para tentarmos ter em mente:

  1. A “decoração” vai ter de mudar. Quando decidimos ter uma Criança, entre muitas das mudanças que tal representa na nossa vida, uma delas é a necessidade de adaptar o nosso ambiente. Se queremos incentivar a sua independência, limita-la o menos possível nos seus movimentos e não ter o desassossego de andar sempre a correr atrás, temos de ter a consciência de que vamos ter de fazer mudanças. Acredite que os benefícios que daí advêm para as Crianças e mesmo para nós superam em grande medida o desconforto de ter de adaptar a decoração e a disposição que existia anteriormente;
  2. Liberdade de Movimentos. images (3)É importante que os espaços por onde a Criança se encontra estejam preparados para que esta se possa mover livremente por entre os diversos estímulos existentes, em segurança, sem ser interrompida e de forma totalmente independente. Montessori acreditava que as Crianças devem ser livres para explorar e seguir os seus impulsos naturais, de forma a desenvolverem e aprofundarem o seu conhecimento do mundo. O Ambiente Preparado deve permitir que a Criança experimente a liberdade de movimento, a liberdade de exploração, a liberdade de interacção social e a liberdade da interferência dos outros, liberdades estas que conduzem a uma outra importante liberdade que tem de ser trabalhada: a liberdade de escolha;
  3. Acessibilidade é independência. Colocar-nos na prespectiva da Criança é essencial num mundo onde muitas vezes os espaços dos mais pequenos são preparados por adultos, para adultos. Como podemos promover a independência de uma Criança se não lhe dermos, por exemplo, um local onde se possa servir autonomamente de água, pousar um copo, aceder a alguma fruta, onde possa por a sua roupa num cesto, uma mesa para se sentar. cozinhaSão pequenos grandes pormenores que fazer toda a diferença no que ao ganho de independência diz respeito. Quanto mais as coisas estiverem inacessíveis, mais a Criança irá depender dos adultos para as coisas do dia-a-dia e mais difícil será o seu inato caminhar para a independência. Um ambiente preparado nesta prespectiva permite que as Crianças possam ser mais produtivas nas suas aprendizagens e explorações, ao mesmo tempo que lhes transmite a ideia de que as suas necessidades são importantes e tidas em conta pela família. Sentem-se, assim, num espaço onde podem viver, “trabalhar” e ser bem-sucedidas nas actividades e necessidades da sua vida diária. Porque não criar em cada divisão da casa um pequeno espaço relacionado com essa divisão e cozinha iidireccionado especialmente para as Crianças?
  4. Adaptação do ambiente aos concretos impulsos exploradores (Períodos Sensíveis) da Criança. As Crianças passam por períodos sensíveis, que representam janelas de oportunidade para a aquisição de certas competências. No período sensível do movimento, por exemplo, que decorre aproximadamente dos zeros ao primeiro ano, os bebés aprendem a rastejar, a rebolar, a gatinhar, a pôr-se de pé e a andar. Nesta fase adoram ter estímulos que os motivem a rastejar para alcançar um objecto que os atraia, adoram ter desafios para ultrapassar quando começam a gatinhar (almofadas, túneis), sítios para se empoleirarem, desafios! E daí a importância de procurarmos observar a Criança, conhecer e estudar os períodos sensíveis pelos quais vai passando, e adaptar constantemente o ambiente com novas actividades que possam potenciar estas incríveis janelas de oportunidade e deixar as Crianças felizes e realizadas; images (3)
  5. Adaptação do ambiente para que o mesmo seja seguro. Se o Ambiente apresenta potenciais perigos para uma Criança, então é porque não está preparado. Mais uma vez é essencial colocar-nos ao nível e na prespectiva da Criança para termos noção do ambiente que a rodeia e o que à mesma se encontra acessível. Baixe-se. Percorra a casa. Isto dá realmente a noção dos potenciais perigos existentes, e não se esqueça que a “prevenção é a melhor vacina contra o acidente”. Coloque almofadas nos locais mais perigosos, mude a disposição dos móveis, proteja os cantos das mesas, tape as tomadas com os dispositivos próprios, tenha atenção aos fios de candeeiros ou de computadores que pode puxar, aos degraus que pode subir, sítios onde pode cair, feche os armários que contenham produtos perigosos ou que se possam partir, tranque as gavetas para que não haja o perigo de se entalar ou retirar objectivos perigosos, tranque as portas das casas-de banho. Em certos espaços, pode mesmo delimitar zonas por onde a Criança pode andar em segurança. A verdade é que quanto mais proteger, mais ficará descansado e menos limitações teremos de impor nos movimento e intenções da Criança.images (2)
  6. Alguns princípios. Para além da Liberdade que referimos acima, é importante que o ambiente reflicta os valores de Ordem e Beleza, seja simples, limpo e convidativo, devendo-se ainda promover a utilização de materiais que invoquem a Natureza, sejam de materiais naturais, e sejam o mais fiéis possíveis da realidade. Além disso, devemos ter em atenção para que este ambiente permita à Criança interagir socialmente com os outros, desenvolvendo os sentimentos de empatia e compaixão, aprendendo a tornar-se socialmente atenta. É importante que interaja com as pessoas que estão à sua volta e se sinta parte integrante.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s