Cesto dos Tesouros – Actividades Montessori para Bebés

Encontrar actividades que mantenham um bebé entretido por períodos que podem ir até aos trinta minutos ou mais, ao mesmo tempo que sabemos estar a responder aos seus impulsos de descoberta do mundo através dos sentidos, pode nem sempre ser fácil.

O “Cesto dos Tesouros” ou “Treasure Basket” trata-se precisamente de uma actividade que os bebés adoram e que apenas precisa de uma selecção de objectos que encontramos em casa ou na Natureza. É por isso gratuita, pode ser feita em qualquer momento, e tem ainda a vantagem de colocar os mais pequenos a praticar a sua capacidade de concentração e a desenvolverem-se através dos seus sentidos, pois cada novo objecto representa uma nova experiência sensorial.

Aprendem através da observação, do toque, do gosto, e, não menos importante, de uma forma onde se sentem felizes. Estão a fazer um “trabalho” que realmente gostam e que responde ao período sensível de descoberta e concentração em que se encontram.

Cesto dos Tesouros (bloggraodegente.com.br)
bloggraodegente.com.br

O que é o Cesto dos Tesouros?

Basicamente, um Cesto dos Tesouros é um cesto onde colocamos os mais variados objectos que encontramos em casa e na Natureza, e que são entregues ao bebé para que o possa explorar e conhecer e forma totalmente independente. É uma oportunidade perfeita para apresentarmos novos materiais, cheiros, texturas, pesos e novas formas de manipular e segurar objectos, permitindo assim a vivência de novas sensações.

Tratando-se de objectos do quotidiano, embora o bebé não vá compreender a sua funcionalidade, irá, na verdade, tomar um primeiro contacto com esses materiais, criando assim uma sensação de familiaridade que irá facilitar, mais tarde, a sua utilização nas tarefas da vida prática. Daí a importância de utilizar objectos da vida prática, deixando-se os brinquedos para outras alturas.

A partir de que idade e até quando utilizar?

Nunca é cedo demais para apresentar um Cesto dos Tesouros.

Um bebé de 4 meses já se pode manter entretido com um Cesto dos Tesouros, tal como um de 6 ou um de 18 meses. São ideais para aquela altura em que o bebé já começa a explorar os objectos com a mão, a leva-los à boca, e quando já se começa a conseguir sentar, ainda que com apoios. Nestas fases, vão adorar explorar um Cesto cheio de surpresas e novas coisas para conhecer.

O limite depende do bebé, mas compreende-se que, por exemplo, para uma criança de dois anos, possivelmente já não irá despertar tanta curiosidade, pois o acto de estar sentado a explorar o que tem dentro de um Cesto pode já não ser estimulante.

Mães que utilizaram o Cesto dos Tesouros contam que criou nos filhos uma prática de terem atenção a objectos que gostam, como conchas ou outros materiais que vão encontrando, e levam para casa para juntar numa caixa. O espírito já não é tanto o de se sentarem a explorar objectos, mas sim o de explorar o meio em busca de objectos que levam para coleccionar.

O limite é, portanto, a receptividade do bebé. Fora isto, nunca se é novo ou velho de mais para um Cesto dos Tesouros.

O que colocar dentro do Cesto dos Tesouros?

Podemos colocar tudo o que temos pela casa e coisas que encontramos na Natureza, contanto que sejam objectos seguros e higiénicos.

Devem ter um tamanho que não seja pequeno demais ao ponto de poderem ser engolidos, não ser desintegráveis nem ter peças que haja o risco de se separaram, não serem afiados ou com texturas cortantes, não haver o risco de se partirem, não libertarem tintas ou outros materiais tóxicos. O próprio cesto deve ser escolhido com cuidado de forma a não largar farripas ou outros materiais. Lembrar sempre que tudo o que lá pusermos irá ser levado à boca pelo bebé pois esta é forma através da qual conhecem os objectos, os seus tamanhos, as suas texturas. Por isso, em caso de dúvida, não devem ser utilizados. Por fim, devemos estar sempre de olho.

Tendo isto em consideração, o Cesto dos Tesouros deve incentivar à descoberta e à exploração. Cada um dos objectos deve ter diferentes características, como o formato,  a cor, a textura, o peso e o cheiro, sendo apenas necessário apelarmos à nossa imaginação e bom senso. Aconselha-se apenas a evitar usar aparelhos com pilhas ou muitos objectos de plástico. Materiais naturais são o ideal.

The Kavanaught Report
thekavanaughreport

Tenhamos em atenção que enquanto os adultos usam apenas o sentido da visão para conhecer um objecto, os bebés usam todos os seus sentidos, e por isso objectos visualmente diferentes entre si ou com uma certa textura, um aroma diferente, que sejam frios ao toque ou que façam barulho quando se movem, são especialmente intrigantes para os mais pequenos. Tudo é uma novidade e tudo é descoberto com entusiasmo.

Os objectos e materiais devem despertar todos os sentidos do bebé. O tacto, com objectos de diversos materiais como metal, madeira, tecidos e outras texturas; o olfacto, por exemplo através de um pequeno e seguro saleiro onde podemos colocar grãos de café, flores de alfazema; a visão, através de cores variadas; a audição através de rocas ou outros objectos que emitam sons.

Os exemplos são ilimitados: uma carteira, uma larga noz com casca, uma pinha larga, uma escova de madeira natural, uma pena, um sino de prata, uma pedra suave, uma esponja, um frasco com feijões, uma colher de pau, um novelo de lã, e tantas outras coisas.

Cestos dos Tesouros Temáticos

Podemos também apresentar Cestos dos Tesouros temáticos. Por exemplo, um cesto só com objectos da cozinha, outro só com objectos que encontramos no quarto ou noutro canto da casa.

Cestos relacionados com uma certa actividade, como um cesto musical, um cesto de arte, um cesto de fazer bolos. Cestos com objectos de uma só cor, ou de uma só forma geométrica, um só tipo de material, entre tantas outras hipóteses.

Quantos objectos colocar?

Não precisa de colocar demasiados objectos. O truque é ir sempre colocando novos, nunca sendo demais encontrar objectos para ir trocando e apresentando. Irá perceber que o bebé quando se habituar a um objecto vai perder o seu interesse, e daí a importância de ir trocando de vez em quando o conteúdo do Cesto.

Repare-se ainda que quando um objecto familiar é reapresentado umas semanas mais tarde, o bebé irá ser capaz de observa-lo de um outro nível, com um novo olhar, pois entretanto o seu cérebro progrediu e está pronto para receber mais informações.

Vai conhecendo sempre os objectos de forma mais profunda à medida que são apresentados, depois retirados e reapresentados novamente. É a ideia chave da “repetição” do que é familiar como elemento essencial do desenvolvimento das capacidades de foco e do verdadeiro conhecimento em todos os estados de desenvolvimento (Montessori from the Start).

Como apresentar o Cesto dos Tesouros?

Como irão ver, um bebé pode ficar um longo período de tempo profundamente concentrado num Cesto dos Tesouros. Por ser uma actividade muito estimulante, é importante que seja apresentada numa altura em que esteja desperto e descansado, e portanto mais receptivo.

A primeira vez que o fizermos, basta colocar o Cesto à frente do bebé, retirar um objecto, observa-lo calmamente e voltar a coloca-lo lá. Depois disto, não interfira mais. Fique por ali, mas deixe-o explora-lo ao seu ritmo e à sua maneira.

Aproveite para observar, e deixe-se surpreender com o efeito destes Cestos Mágicos 🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s